Produção Textual Final


Estratégia Missionária Paulina e da South África General Mission (SAGM)/ África Evangelical Fellowship (AEF) e da União de Igrejas Evangélicas de Angola (UIEA)

Aluno:

José Bernardo Luacute

Banca examinadora:

1. Dr. Paul Kleiner (orientador)
2. Ms. Antonia Leonora van der Meer
3. Dr. Carlos Ribeiro Caldas Filho

Data: 22 de novembro de 2001

Resumo:

Tendo em conta os pressupostos anteriores, no desenvolvimento do relatório de pesquisa debruçar-se-á:
No primeiro capítulo, acerca das estratégias missionárias onde se vai argumentar o seu papel crucial e indispensável. Foram referidas as quatro conhecidas como: “Solução Padrão”, “Deixa Acontecer”, “Planejamento Parcial” e “Solução Padrão” que no processo de qualquer empreendimento vai traduzir a ação de qualquer ator individual ou coletivo fiel a Deus. O trabalho vai se limitar a evangelização e implantação de igrejas omitido-se propositadamente do ensino e discipulado por razões práticas e de espaço.

No segundo capítulo, sobre a estratégia da South Africa General Missíon (SAGM) / Africa Evagelical Fellowship (AEF) e da União de Igrejas Evangélicas de Angola (UIEA) num estilo narrativo da sua trajetória, como estudo de caso, que vai se assentar e discorrer no quadro de um condicionalismo histórico e jurídico vigente e a estratégia por si assumida para levar a bom termo a sua tarefa. Por meio de sua marcha histórica pensa-se verificar que estratégias fluíram para o alcance do alvo primário que é ter igrejas implantadas.

No terceiro capítulo, sobre a estratégia paulina que servirá de base teológico-bíblica para dela se tirar lições de orientação para a prática missionária salutar. Da sua teologia bíblica se verá a viabilidade da estratégia, a sua justificativa, dimensão e conteúdo. E sobretudo a maneira como Paulo concentrava os seus esforços em centros populacionais estratégicos e centros de comércio e de influência política, a partir dos quais o evangelho seria rapidamente levado para regiões circunvizinhas. Ainda se apresenta a maneira como ele abordava os vários auditórios judeus conhecedores da Escritura e os gentios pela revelação natural que apontava para Cristo como também a pessoas de todos os níveis da sociedade, fornecendo à igreja uma vasta base.

No quarto capítulo, sobre a análise crítica da estratégia do processo histórico- missionário da SAGM 1 AEF e da UIEA comparada com a estratégia do apóstolo Paulo. Por esta lógica analítica pensa-se avaliar a conformidade com os procedimentos conducentes à estratégia bíblico paulina e propor as devidas contribuições e correções.
Finalmente, na conclusão serão apresentados os desafios à sustentabilidade desta reflexão e validade prática da adoção contemporânea da estratégia paulina para a SAGM / AEF e a UIEA.

E-mail: jbluacute@yahoo.com.br